Páginas

Este blog não pretende ser um tratado do nosso vernáculo. Destina-se àqueles que querem aprender a escrever corretamente. Lapidar as palavras e transformá-las em verdadeiras jóias (bem dispostas no texto, de forma a traduzir o pensamento e publicar as idéias) é o que busca todo o artesão da palavra.

domingo, 11 de julho de 2010

Emprego da Vírgula II


 Emprego da Vírgula entre as Orações
Emprega-se a vírgula para:
  1. Separar as orações coordenadas assindéticas:
    A máquina calou-se, dobraram-se as pastas, o juiz levantou-se. (Graciliano Ramos)
  2. Para separar as orações coordenadas sindéticas, salvo as introduzidas pela conjunção e:
    O nortista gostou da casa, mas julgou mesquinhas as outras benfeitorias do sítio.     (Rodrigo M. F. de Andrade)
    Tu que queres vento da terra,
    Ou queres vento do mar?  (Juvenal Galeno)


    Observações:



    1. Separam-se por VÍRGULA as orações coordenadas unidas pela conjunção e, quando têm sujeito diferente. Exemplo:
      O candidato antibalmacetista à presidência seria o General Baquedano, e o prestígio do vencedor do Peru era grande na tropa; ele, porém, não se moveu, e esta ficou sólida até o fim. (Joaquim Nabuco)
      Costuma-se também separar por vírgula as orações introduzidas por essa conjunção quando ela vem reiterada:
      Trabalha, e teima, e lima, e sofre, e sua! (Olavo Bilac)
    2. Das CONJUNÇÕES ADVERSATIVAS,  mas emprega-se sempre no começo da oração; porém, todavia, contudo, entretanto e no entanto podem vir ora no início da oração, ora após um dos seus termos. No primeiro caso, põe-se uma VÍRGULA antes da conjunção; no segundo, vem ela isolada por vírgulas. Compare-se este período de Machado de Assis:
      -Vá aonde quiser, mas fique morando conosco.
      aos seguintes:
      - Vá aonde quiser, porém fique morando conosco.
      - Vá aonde quiser, fique,  porém,  morando conosco.
      Em virtude da acentuada pausa que existe entre as orações acima, podem ser elas separadas, na escrita, por ponto e vírgula.
      Ao último período é mesmo a pontuação que melhor lhe convém:
      - Vá aonde quiser; fique, porém, morando conosco.
    3. Quando CONJUNÇÃO CONCLUSIVA, pois vem sempre posposta a um termo da oração a que pertence e, portanto, isolada por vírgulas:
      Não poucas vezes, pois, razão é lastimar o zelo dos amigos, e agradecer a malevolência dos opositores. (Rui Barbosa)

  3. Para isolar as orações intercaladas:
    "O despotismo é que passará sem a fé: a liberdade passa",  dizia  Tocqueville, edificado pelo espetáculo dos Estados Unidos. "A religião" insitia, "é muito mais necessária nas repúblicas do que nas monarquias". (Rui Barbosa)
  4. Para isolar as orações subordinadas adjetivas explicativas:
    Rio, que cantas as mágoas,
    Que queres com o teu cantar? (Olegário Mariano) 
    Observação:
    Como sabemos as ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS se classificam em RESTRITIVAS E EXPLICATIVAS.
    As RESTRITIVAS, indispensáveis ao sentido da frase, ligam-se a um substantivo (ou pronome) antecedente sem pausa, razão por que dele não se separam, na escrita, por VÍRGULA. Já as EXPLICATIVAS, denotadoras de uma qualidade acessória do antecedente - e, portanto, dispensáveis ao sentido essencial da frase -, separa-se dele por uma pausa, indicada na escrita por VÍRGULA.
    Comparem-se, por exemplo, estes dois passos de Olegário Mariano:
    Quero ser a jóia rara
    Da mulher que nunca amou.
    Pastor, que sobes o monte,
    Que queres galgando-o assim?
    No primeiro, há uma ORAÇÃO ADJETIVA RESTRITIVA: que nunca amou. No segundo, uma ADJETIVA EXPLICATIVA: que sobes o monte. Daí a diversidade de pontuação.
  5. Para separar as orações subordinadas adverbiais, principalmente quando antepostas à principal:
    Quando tio Severino voltou da fazenda, trouxe para Luciana um Periquito. (Graciliano Ramos)
    Repontava a manhã, quando à sua primeira claridade se congrega o sinedrim. (Rui Barbosa)
  6. Para separar as orações reduzidas de gerúndio, de particípio e de infinitivo, quando equivalentes a orações adverbiais:

    1. REDUZIDAS DE GERÚNDIO: Querendo tu escrever-lhe, escreve. (Antonio Nobre)
    2. REDUZIDAS DE PARTICÍPIO: Terminada a conferência, requintou o Governo alemão nas suas cortesias para com o Brasil. (Gilberto Amado)
    3. REDUZIDAS DE INFINITIVO: Ungi-os no espírito de verdade, para amarem o estudo, no espírito de regeneração, para desertarem o abuso, no espírito de obediência, para guardarem a lei, no espírito de solidariedade, para se associarem pelo bem, no espírito de resistência, para contrastarem a opressão. (Rui Barbosa)
      Observação:
      Finalizando nossas observações, devemos acentuar o seguinte:

      1. toda oração ou todo termo da oração de valor meramente explicativo pronunciam-se entre pausas; por isso, são isolados por VÍRGULAS, na escrita;
      2. os termos essenciais e integrantes da oração ligam-se uns aos outros sem pausa; não podem, assim, ser separados por VÍRGULA. Esta a razão por que não é admissível o uso da vírgula entre uma ORAÇÃO SUBORDINADA SUBSTANTIVA e a sua PRINCIPAL;
      3. Há uns poucos casos em que o emprego da VÍRGULA não corresponde a uma pausa real na fala; é o que se observa, por exemplo, em respostas rápidas, como: Sim, senhor. Não, senhor.

Nenhum comentário:

Pesquisa personalizada