Páginas

Este blog não pretende ser um tratado do nosso vernáculo. Destina-se àqueles que querem aprender a escrever corretamente. Lapidar as palavras e transformá-las em verdadeiras jóias (bem dispostas no texto, de forma a traduzir o pensamento e publicar as idéias) é o que busca todo o artesão da palavra.

domingo, 5 de abril de 2015

SE - Tradução de Guilherme de Almeida - Original: IF - Rudyard Kipling

Este poema é lindo! Como todos os clássicos, ele transpõe todas as fronteiras e fala ao nosso íntimo.

Se

(Tradução de Guilherme de Almeida)


Se és capaz de manter a tua calma quando
Todo o mundo ao teu redor já a perdeu e te culpa;
De crer em ti quando estão todos duvidando,
E para esses no entanto achar uma desculpa;
Se és capaz de esperar sem te desesperares,
Ou, enganado, não mentir ao mentiroso,
Ou, sendo odiado, sempre ao ódio te esquivares,
E não parecer bom demais, nem pretensioso;

Se és capaz de pensar --sem que a isso só te atires,
De sonhar --sem fazer dos sonhos teus senhores.
Se encontrando a desgraça e o triunfo conseguires
Tratar da mesma forma a esses dois impostores;
Se és capaz de sofrer a dor de ver mudadas
Em armadilhas as verdades que disseste,
E as coisas, por que deste a vida, estraçalhadas,
E refazê-las com o bem pouco que te reste;

Se és capaz de arriscar numa única parada
Tudo quanto ganhaste em toda a tua vida,
E perder e, ao perder, sem nunca dizer nada,
Resignado, tornar ao ponto de partida;
De forçar coração, nervos, músculos, tudo
A dar seja o que for que neles ainda existe,
E a persistir assim quando, exaustos, contudo
Resta a vontade em ti que ainda ordena: "Persiste!";

Se és capaz de, entre a plebe, não te corromperes
E, entre reis, não perder a naturalidade,
E de amigos, quer bons, quer maus, te defenderes,
Se a todos podes ser de alguma utilidade,
E se és capaz de dar, segundo por segundo,
Ao minuto fatal todo o valor e brilho,
Tua é a terra com tudo o que existe no mundo
E o que mais --tu serás um homem, ó meu filho! 



-.-.-.-..-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

If

By Rudyard Kipling



If you can keep your head when all about you
Are losing theirs and blaming it on you,
If you can trust yourself when all men doubt you
But make allowance for their doubting too,
If you can wait and not be tired by waiting,
Or being lied about, don't deal in lies,
Or being hated, don't give way to hating,
And yet don't look too good, nor talk too wise;

If you can dream--and not make dreams your master,
If you can think--and not make thoughts your aim;
If you can meet with Triumph and Disaster
And treat those two impostors just the same;
If you can bear to hear the truth you've spoken
Twisted by knaves to make a trap for fools,
Or watch the things you gave your life to, broken,
And stoop and build 'em up with worn-out tools; 

If you can make one heap of all your winnings
And risk it all on one turn of pitch-and-toss,
And lose, and start again at your beginnings
And never breath a word about your loss;
If you can force your heart and nerve and sinew
To serve your turn long after they are gone,
And so hold on when there is nothing in you
Except the Will which says to them: "Hold on!" 

If you can talk with crowds and keep your virtue,
Or walk with kings --nor lose the common touch,
If neither foes nor loving friends can hurt you;
If all men count with you, but none too much,
If you can fill the unforgiving minute
With sixty seconds' worth of distance run,
Yours is the Earth and everything that's in it,
And --which is more-- you'll be a Man, my son

Rudyard Kipling é um dos mais conhecidos  poetas vitorianos e contadores de histórias. Embora ele tenha sido agraciado com o Prêmio Nobel de Literatura em 1907, suas opiniões políticas impopulares fizeram com que sua obra fosse negligenciada logo após sua morte. Os críticos, no entanto, reconheceram  o poder de seu trabalho. "Sua habilidade implacável, sua determinação de ser.  " Kipling  nasceu em Bombaim, na Índia, no final do ano de 1865.
 Kipling passou os primeiros anos de sua vida na Índia.  Em 1871, no entanto, seus pais o enviaram e também a sua irmã Beatrice – chamada de “Trix” -  para Inglaterra, em parte para evitar problemas de saúde, mas também para que as crianças pudessem começar a sua escolaridade. Kipling e sua irmã foram colocados com a viúva de um velho capitão da marinha chamado Holloway em uma pensão chamada Lorne Lodge em Southsea, um subúrbio de Portsmouth. Kipling e Trix passaram  a maior parte dos próximos seis anos naquele lugar, que eles vieram a chamar de "House of Desolation." Os anos de 1871 até 1877 tornou-se, por Kipling, anos de miséria. "Além de sentimentos de perplexidade e abandono" de ser abandonado por seus pais, escreve Mary A. O'Toole no Dicionário da biografia literária, "Kipling teve de sofrer assédio moral por parte da mulher da casa e do filho dela também."
Extraído do site www.poetryFoundation.org


Nenhum comentário:

Pesquisa personalizada